Já que nos últimos tempos esteve na moda rebelião em presídios por todo o Brasil, chegou a hora de falarmos sobre isso… Você acredita em reabilitação de presidiários?

O assunto é polêmico. Alguns dirão que não, que bandido bom é bandido morto. Outros dirão que sim, porque, afinal, tadinhos, bandidos são vítimas da sociedade…

A verdade é que sua opinião nada vai mudar sobre o destino desses presos e do nosso país. Sabe por que?

Porque se você for do primeiro grupo, esquece!, estamos longe de aprovar pena de morte no Brasil. E outra, se a situação continuar como está, não só os bandidos vão continuar vivos, como continuarão se transformando em bandidos piores! Teremos cada vez mais rebeliões, fugas e mortes…

Se você for do segundo grupo, também esquece! Ninguém vai acreditar em você… Na situação atual, que presos estão sendo reabilitados? Que medidas o governo tem adotado em prol da reabilitação dessas pessoas? Construção de mais presídios? Isso adianta de que?

Se você é do grupo que acredita na reabilitação, preocupe-se em fomentar iniciativas de reabilitação de presos e PROVE para o primeiro grupo que elas funcionam!! E eu vou te dar uma boa notícia… elas provavelmente funcionam sim 🙂

Se você é do primeiro grupo, continua lendo a matéria. Quem sabe você começa a ficar com uma pulguinha atrás da orelha…

Já ouviu falar em APAC – Associação de Proteção e Assistência aos Condenados? APAC é uma entidade privada dedicada à recuperação e reintegração social de presidiários, oferecendo assistência jurídica, à saúde, religiosa e dando novas oportunidades de carreira aos condenados. Seu método de ressocialização foi desenvolvido no Brasil em 1972 e foi exportado e reconhecido internacionalmente por diversos países.

O goleiro Bruno foi transferido em 2016 para uma dessas entidades, e isso deu uma maior visibilidade ao projeto. Esta reportagem é muito interessante para explicar a situação do Bruno, o que é a APAC e traz uma excelente entrevista com Mário Ottoni, o criador das APACs.

Eis as informações mais surpreendentes: o índice de reincidência de presos de uma APAC é de cerca de 8%, enquanto do sistema prisional comum é de 70%! Além disso, o custo de um presidiário mantido numa APAC é cerca de 1/3 do valor gasto no sistema comum!

Então por que raios o governo não incentiva a criação de mais APACs? Interesses politicos…? Eu não me espantaria…

O fato é que é importante que todos nós conheçamos melhor este sistema e passemos a cobrar dos governantes maior apoio a esta iniciativa. Criação de abaixo-assinados, protestos, emails, mensagens no Facebook… Não importa, temos que agir!

O problema desta questão de presídios é que nunca ficaremos definitivamente independentes do governo para tomar alguma ação. Não dá pra simplesmente criarmos presídios privados totalmente desvinculados de políticas públicas… A essa altura, você já deve saber que aqui no blog que eu defendo sempre que as pessoas ajam independentemente do governo. Mas, infelizmente, no caso dos presídios, só nos resta cobrar, cobrar e cobrar…

Talvez possamos criar  ou apoiar mais iniciativas como a Tem Quem Queira, que é uma empresa social que promove capacitação de presidiários e gera renda a partir da produção de peças de design, fabricadas pelos condenados a partir do reaproveitamento de lonas recicladas. Mas mesmo assim, o governo sempre vai ter que estar ali… do seu lado…

Eu particularmente acredito que, dependendo do nível de “desorientação” da pessoa, presidiários podem sim ser reabilitados. Não sou nenhuma profissional da área para dizer quem pode e quem não pode, só tenho achismos… Mas de qualquer jeito, não podemos mais manter essas “escolas para bandidos”, onde condenados por crimes menores ficam em contato com bandidos maiores e são obrigados a entrar para uma facção criminosa em troca de proteção ou regalias…

Em suma, não podemos deixar a coisa como está. Ou a gente tenta dar a chance de reabilitar quem pode ser reabilitado, ou viveremos eternamente assombrados pela violência do nosso país…

Créditos da imagem: Designed by Freepik