Você tem um negócio social ou trabalha para um? Já parou para analisar se esse negócio tem transparência adequada para construir a confiança dos seus clientes?

Através do Instagram tenho descoberto diversas iniciativas sociais muito interessantes. É só colocar lá #empreendedorismosocial, #negociosocial ou afins que você encontra diversas pessoas e empresas que já estão lutando por um mundo melhor.

Acontece que, algumas vezes, me deparo com negócios sociais que adotaram o modelo one for one, da TOMS, que prometem doar um sapato, bolsa, camiseta ou o que seja para cada item vendido. Aí você entra no site deles para saber mais um pouco, se depara com uma loja virtual, um botão de compras e acabou.

Mas… e as doações? Como é que eu sei quanto a empresa já doou, ou para quem ela está doando?

Algumas outras iniciativas que encontramos por aí, prometem doar “parte dos lucros” para instituições X, Y ou Z.

Legal, mas… quanto? É 1 centavo, é 1 real ou são 10 reais?

Não que eu esteja duvidando da idoneidade dessas empresas… realmente acredito que elas queiram fazer o bem. Mas lembra-se do que falei no post Mais transparência, por favor! ? Não basta SER honesto, tem que PARECER honesto. Ou melhor, PROVAR ser honesto!

Em seu livro Comece Algo que Faça a Diferença, Blake Mycoskie, o fundador da TOMS, discute exatamente sobre essa questão da transparência num negócio social:

Ser franco e direto é ainda mais importante quando sua empresa tem um trabalho filantrópico  – ser claro para onde está indo o dinheiro dos seus doadores é a melhor forma de construir sua confiança.

E como eles construíram a confiança dos clientes da TOMS? Levando os clientes (através de convites ou sorteios) aos Shoe Drops, que são as entregas dos produtos doados às crianças carentes. Segundo Blake,

Ao levarmos os clientes e outras pessoas interessadas, encorajando-as a postar fotos de suas experiências, desenvolvemos a confiança também fora deste grupo.

Também deixamos claro para os clientes, desde o começo, que nossa empresa não é como as outras do setor de impacto social – somos uma organização que visa lucro.

Bacana, né? Não é à toa que hoje todo mundo confia na marca e compra com muito gosto seus produtos!

Quer outro exemplo legal de transparência em negócio social? A charity: water é uma organização sem fins lucrativos que investe todo o dinheiro doado ou advindo da venda de produtos à construção de poços artesianos em regiões áridas e países em desenvolvimento. Seus relatórios financeiros estão disponíveis para consulta neste link, e as fotos de cada poço construído, com sua respectiva posição apontada no mapa, estão disponíveis neste outro link.

Quer um exemplo brasileiro agora? A marca de roupas Reserva doa 5 pratos de comida a cada produto comprado. Neste link, eles explicam como funciona a iniciativa, fornecem um contador de pratos doados e até disponibilizam declarações escaneadas da ONG Banco de Alimentos a respeito das doações realizadas. [Se eu tenho alguma crítica a fazer sobre a transparência desta campanha, uma é que não consegui ver os dados das instituições que recebem estas doações (para mim, este link está em branco), e outra, que acho que faltam mais fotos e vídeos mostrando as instituições e o recebimento dessas doações. Mas enfim… pontos de melhoria! Não estou descredibilizando de forma alguma o trabalho da Reserva, muito pelo contrário! Fico orgulhosa de que grandes empresas brasileiras já estejam nessa vibe de empreendedorismo social!]

E o seu negócio? Está seguindo o modelo de transparência destas grandes empresas, ou será que ainda existem pontos de melhoria? Você tem mais alguma sugestão sobre como melhorar a transparência de uma empresa social? Deixe nos comentários e compartilhe com seus colegas! Vamos colaborar para a existência cada vez maior de negócios sociais bem consolidados e queridos pela população!