Hoje mesmo saiu uma matéria falando que as escolas francesas reacenderam o debate sobre bullying em razão de dois suicídios cometidos por garotas vítimas destes atos de violência física e psicológica. Trechos do diário de uma dessas garotas foram divulgados, mostrando que o bullying sofrido pode ter sido forte causa do desenvolvimento dos sintomas de depressão que levaram a garota a tirar a própria vida.

Raciocinando sobre a matéria, percebi o quanto é importante debatermos a questão e eliminar de uma vez por todas esse tipo de comportamento entre crianças e jovens se quisermos mudar o Brasil.

Acredito que a maioria das pessoas tenha sido zuada de alguma forma no colégio. Umas pessoas mais, outras menos, e outras de forma exagerada demais – as verdadeiras vítimas do bullying. Quem já sofreu isso, sabe como é horrível ser maltratado pelas outras crianças e como isso pode deixar traumas por toda a vida adulta.

Eu por exemplo já fui muito zuada por coleguinhas de escola e até por parentes próximos de mim por ser mais gordinha que as outras crianças… Até hoje – aos 30 anos de idade – a balança ainda é minha principal inimiga, rsrs. Mas, sem dramas! Eu felizmente consegui lidar com isso e sou feliz por ser quem eu sou. Sempre tentando emagrecer, mas nunca me sentindo uma infeliz ou derrotada por não conseguir o resultado que quero. XD

Se tem uma coisa que aprendi com essa história de bullying foi a sempre me colocar no lugar dos outros e me preocupar em nunca magoar ou incomodar ninguém. Não é à toa que o Princípio #1 para mudar o Brasil é – para mim –  considerado a regra de ouro. Como eu queria que aquelas crianças maldosas soubessem como é ruim, como é humilhante ser maltratado daquela forma. Como eu queria que aquelas crianças sentissem na pele aquilo que eu sentia! “Queria”, do verbo “querer” – no passado. Hoje não sinto raiva de ninguém. Já perdoei quem tinha que ser perdoado, pois entendi que criança é muito sem noção mesmo, que, se crescer sem boa instrução dos pais e professores, vai aprontar mesmo, fazer o que dá na telha, maltratar os outros sem enxergar como isso é feio…

Acredito que hoje sou uma pessoa melhor porque passei por essas experiências, porque aprendi a ter mais compaixão pelo próximo. Mas eu ainda me pergunto: e aquelas crianças? Quem elas se tornaram hoje? Será que cresceram se achando superiores a todo mundo? Se tornaram cidadãos egoístas que passam por cima dos outros para conseguirem o que querem? Que estão pouco se lixando para problemas sociais e ambientais?

Será que se ensinássemos nossas crianças a não praticarem o bullying, a respeitarem o próximo, a terem mais compaixão, não estaríamos contribuindo com a formação de cidadãos melhores? Cidadãos que construirão uma sociedade melhor?

Veja bem, não estou dizendo que se alguém praticou bullying na infância esta pessoa hoje é um ser execrável. Talvez ela seja uma pessoa normal. Talvez a vida tenha se encarregado de ensinar boas maneiras a ela. Mas não seria muito mais fácil se ela tivesse aprendido isso desde a infância?

Acredito que para mudar o Brasil temos que começar primeiro nos importando mais com os outros. Se cada um quiser garantir apenas o seu, nunca acabaremos com a pobreza, com a violência, com a falta de saúde e de educação. E o bullying representa exatamente o oposto de se importar com o próximo. O bullying representa sentir prazer em oprimir alguém, em humilhar alguém. O bullying precisa ser eliminado o quanto antes.

Se você é pai, converse com seus filhos. Se você é educador ou aluno, proponha campanhas anti-bullying no seu colégio.

Não deixe que continuemos a criar jovens egoístas.

Não deixe que o bullying continue a tirar a vida de outros jovens.

Se concorda com a ideia, curta e compartilhe com seus amigos. Deixe nos comentários suas sugestões para acabarmos de vez com esse mal.